“Os navios no cais. A brisa sopra” por Amylton de Almeida (1946/1995)

Amylton de Almeida (1946/1995) “Os navios no cais. A brisa sopra”. Desde a primeira página e por todo o romance de Amylton de Almeida, a narração dos acontecimentos extraordinários e fatos comuns do cotidiano, das lembranças e descrições da cidade de Vitória, a personagem principal do romance Blissful Agony, são pontuados com estas afirmações: a brisa sopra ou o vento sopra, enquanto os navios estrangeiros, sempre iguais e sempre diferentes, em suas cores e calados, permanecem ancorados no cais do porto, ao lado da cidade.

“Este é o instante em que a Praça Costa Pereira se encontra deserta para sempre. Longe, muito longe daqui o vento sopra. Este é o instante em que nada mais a ser dito. Observe. Este é o instante em que se ouve o coração do mundo. Este é o instante em que o vento sopra, invadindo a cidade seus quatro pontos cardeais. Observe. Este é o instante em que Vitória se parece com qualquer cidade do mundo, apresentando-se anônima para sempre”...


Amylton de Almeida (jornalista, escritor, dramaturgo e crítico de cinema)


Texto e pesquisa: Kleber Frizzera @kleber_frizzera

Imagens:@angelagomes.arq e arquivo público —@apartirdocentro

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo